quarta-feira, 9 de junho de 2010

A Copa do Mundo é nossa


Em ano de Copa do Mundo de Futebol o patriotismo dos brasileiros vem a tona. As cores verde, amarelo, azul e branco surgem nas ruas, roupas e acessórios. Uma verdadeira explosão de quatro cores. Até a tradicional estampa xadrez, típica nessa época do ano em decorrência das festas juninas, ganharam a tonalidade da bandeira nacional.
Esse momento é tão massificado que dá enjoo. A competição pára o Brasil. Grande parte das empresas, instituições de ensino e repartições públicas, liberam seu pessoal mais cedo, para que ninguém deixe de assistir as partidas. Passa ser um desafio, uma missão quase impossível, conseguir pegar um táxi ou ônibus durante os horários dos jogos. As ruas dos grandes centros ficam desertas, dando a vez para bairros residencias enfeitados, lotados de torcedores que se encontram para assistirem juntos o jogo. A rivalidade acaba e ninguém é mais flamenguista, tricolor, botafoguense ou vascaíno. Todos finalmente se lembram que são brasileiros.
Quem colhe ótimos resultados é o comércio varejista. Como se não bastasse o récorde na venda de roupas, bandeirinhas, cornetas, bolas e enfeites do Brasil, agora também comemos, bebemos, e cheiramos a Copa do Mundo de Futebol. Todo mundo quer lucrar com a competição. Supermercados anunciam a venda de comidas, chamando os consumidores a comprarem com apelo de torcerem pela seleção brasileira. Bebidas em geral estão sendo vendidas com rótulos comemorativos, chegando a vez dos produtos de higiene pessoal, que foram desenvolvidos explorando o tema.
É interessante ver como todos se unem em prol de uma competição esportiva que acontece a cada quatro anos. Toda empolgação é decorrente pelo bom desempenho do time do Brasil. Sempre com bons atletas, e com o maior número de títulos acumulados. A seleção brasileira é a única em todo o mundo que participou de todas as edições da Copa. Em 2010 se busca o sexto campeonato. Além disso, quando não é a Copa do Mundo, no Brasil se fala mais em campeonato brasileiro do que qualquer outro assunto. Não há como negar que aqui é o país do futebol.
Mas quando acaba a Copa tudo volta ao normal. As decorações são desfeitas, as roupas são guardadas e o comércio passa a explorar outras datas, como o Dia dos Pais e o Dia das Crianças, por exemplo. Se o patriotismo fosse sempre cultivado no Brasil, o excesso na utilização das cores que representam o país somente durante a Copa do Mundo de futebol, não causaria tanta estranheza. Espera-se quatro anos para ser brasileiro de verdade durante um mês.

Um comentário:

  1. Ou seja, tudo é prgramado para estimular o ócio, porque em época de copa, até quem não gosta de futebol ama...sai mais cedo do trabalho, tem sempre um churras em algum lugar pra ver o jogo...e depois outro pra comemorar quando ganha...enfim!!! um mês de ócio por conta do maldito futebol.

    ResponderExcluir